NOVIDADES

Quem sou eu?


O Fantástico estreou a série Quem sou eu? sobre transgêneros. Uma iniciativa linda e cidadã de um programa de tv que alcança milhões de lares em um país no qual o número de transexuais assassinados são um dos maiores do mundo e assunto de páginas policiais e de deboche na internet. O desconhecimento é um dos principais motores para qualquer discriminação, principalmente, sexual. A ideia de usar a personagem Alice, de Lewis Carroll, como guia da série é um outro ponto incrível, pois aproxima a complexidade do tema à clareza de uma personagem mundialmente conhecida.
Logo aprendemos as primeiras lições:
Orientação sexual – o desejo que um homem pode sentir por outro homem ou por outra mulher e/ou por ambos e também o desejo que uma mulher pode sentir por um homem, por outra mulher e/ou por ambos. 
Já identidade de gênero (são apenas dois; masculino e feminino) se refere à identificação que a pessoa sente e não necessariamente coincide o órgão genital com o mental. (Aí que entra a confusão dos intolerantes que acreditam na predominância do biológico sobre o mental. Melhora, né!). Somos muito muito mais que animais. Nossa espécie é única. 
Esta é a nossa principal lição:
Cada pessoa tem o direito de ser compreendida como ela é, como ela se sente. como ela se identifica. 
Aí está a nossa maior beleza. Na superfície somos pouco diferentes. Já na profundidade cada um de nós é único e especial (parece até frase de autoajuda. Se for também está ótimo). Cada um é um pouco Alice em busca de seu Wonderland.