NOVIDADES

A árvore flutuante!


Para ler ao som de Fake plastic trees,
de Coldplay



A fotografia é uma das minhas paixões. Amo tirar fotos de pessoas, paisagens e de coisas nada a ver. Aliás, as coisas nada a ver são minhas favoritas. Por ser um fotógrafo amador, não tenho a menor obrigação de ter o ângulo certo, a usar a luz certa, o uso de diafragma correto, nem saber técnicas.

Apenas miro e click.

A minha única preocupação é tentar registrar, minimamente, a poesia cotidiana em uma imagem fotográfica. A vida de todo dia, de toda hora, talvez nunca fosse lembrada em detalhes e ficaria para sempre esquecida no baú de nossa memória numa mistura de fato e invenção, se não fosse a fotografia. O momento inefável, como diria Caio Fernando Abreu, se tornando em “pequenas epifanias. Miudinhas, quase pífias revelações de Deus feito jóias encravadas no dia-a-dia.” E também me sinto propenso a observar essas pequenas revelações. Posso estar andando preocupado com as contas sempre a chegar, os livros cada dia mais acumulados, a correria contra o relógio para chegar a tempo ao trabalho, para chegar a tempo em casa e almoçar e sair e depois voltar. Mesmo assim me permito esses pequenos momentos de encontrar no dia a dia a sua poesia. Esta semana estava indo para casa com sacolas e mais sacolas de plásticos no braço, com os passos tentando alcançar o tempo que corria contra mim. Eu cada segundo mais debaixo para trás pelo tempo que nunca para. Nunca espera. Me deparei com uma árvore acidentalmente localizada no topo de uma escada. (Ah, como era linda a imagem). Esqueci das sacolas, do tempo. E fiquei pensando quando aquela escada foi construída pensaram em deixá-la alinhada à árvore como eu via. Ou teria sido uma simples coincidência? Como se no fim da nossa subida cotidiana das escadas de Jacó ou nossa eterna subida como Sísifo levando nossa pedra ao topo da montanha encontraríamos a revelação em forma de Árvore. Nossa outra metade.

E assim nessa correnteza de pensamentos cheios de metáfora registrei a minha fotografia. A minha pequena epifania. A minha árvore flutuante. Aparentemente para muito uma escada e uma árvore alinhadas apenas.